quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Born This Way Brazil

Inspirado pelo título do novo album de Lady Gaga e por um site gringo, o Born Gay Born This Way - Blog USA - borngaybornthisway.blogspot.com, os @tiul, @ozinho e @ra_fael decidiram criar o Born This Way Brazil. A idéia do blog é, basicamente, mostrar que gay NASCE gay e que os gays estão aqui e que muitos deles dão a cara a tapa todos os dias, matando verdadeiras feras e enfrentando a adversidade para serem quem são e, claro, as fotos garantem algumas risadas.

O blog é feito de depoimentos  e fotos de todos aqueles que nasceram "diferentes" e querem mostrar isso pro mundo. Abaixo eu republico a minha contribuição para o blog. Então, depois de ler, se joga no AQUI e leia os demais depoimentos e, claro, mande o seu também.

 
EIKE uó. Estou horrível nessa foto, mas quando criança eu detestava tirar fotos, então há poucas. Escolhi essa porque sempre que alguém a vê diz que estou parecendo uma menina e como faço a linha bissinha...rs. Eu devia ter uns 10 anos, no máximo, quando tirei essa foto, pouco antes de sair pra escola.


Tenho saudades desse cabelo. Como eram lindos e lisos, adorava ficar penteando-os (hahaha). Notaram o jeitinho todo lady de sentar? Até hoje sento com as pernas fechadinhas e tortinhas para a esquerda.

Desde muito cedo eu sabia que não era como os outros meninos. Sou o filho mais velho e único homem. Venho de uma família de gente do interior e de pouco estudo (sou o primeiro a cursar uma faculdade) e essa combinação, quase sempre, costuma ser sinônimo de mente mais obtusa. Minha avó, com quem moro desde que saí da maternidade, é mais machista que muito homem, logo, é de se esperar que meu pai também o seja.

Nunca gostei de “coisas de menino”. Carros, futebol, correr, HQ’s. Nada disso nunca me interessou. Com 23 anos, nunca joguei futebol na vida. Sou pintosa desde criança e meu pai sempre combateu isso. Dizia pra eu procurar jeito de homem, parar de frescura. Sempre me interessei por coisas típicas de meninas. Brincava de casinha e bonecas com minhas irmãs e na infância pensei até em ser estilista. Desenhava lindos vestidos pras bonecas delas. Adorava ler revistas femininas e sempre fui muito vaidoso, preocupado com cabelo e unhas.

Tenho três primos quase da mesma idade que eu. Sempre nos demos muito bem. Até brincava de coisas de menino com eles. Adorávamos recriar as batalhas de desenhos como Os Cavaleiros do Zodíaco. Mas das nossas brincadeiras, gostava muito mais daquelas que rolavam na hora do banho (hehehe).

Como sempre fui franzino, era alvo de chacotas em todas as escolas que estudei. Foram três. Já no primeiro grau menor os outros garotos da turma me chamavam de mariquinha e no ginásio era Jocka Piroca. Como nunca fui de brigar era defendido pelos meus primos quando alguém me provocava ou tentava me bater. Talvez por causa de tudo isso sempre fui muito tímido. Sempre fui o CDF da escola e usava isso como moeda de troca. Quem me provocasse, fizesse piadinhas e afins não recebia cola nos dias de prova.

Cheguei a me apaixonar por uma garota com quem estudei da 5ª a 8ª série. Até me declarei pra ela, mas nunca tivemos nada e hoje, olhando pra trás, acho que ela é lésbica (hahaha). Apesar de sempre olhar diferente pros garotos, me imaginei casado com mulheres, cheguei a ficar com algumas meninas e até transei com três delas. Cheguei a me apaixonar por outra garota na universidade com quem não rolou nada até por que eu nunca cheguei nela.

O primeiro garoto por que me apaixonei foi um amigo da escola. Ficamos algumas vezes, mas nunca chegamos aos finalmentes, infelizmente, pois ele é lindo (rs). Mas demorei algum tempo até sair do armário. Só aos 20 anos chutei as portas. O processo todo foi muito difícil. Minha família não entende. Fingem que sou HT e minha mãe diz ter vergonha de mim. Apesar disso, me assumir foi a melhor coisa que fiz. Sou totalmente seguro da minha sexualidade.

2 comentários:

Bonter disse...

Interessante esse site, tomara que faça sucesso e fique cheio de depoimentos.

Sua sinceridade foi impactante, eu quando olhei a foto pensei "parece uma menina", mas jamais diria isso, pareceria algo grosseiro.
Como você mesmo escreveu isso, acho que não ofendo.

Parabéns pelo texto e pela história de vida, felicidades.

Aninha Coaracy disse...

Meu anjo, amei a foto. Vi naqueles olhinhos da infância a mesma beleza que vejo hoje. Lindinho! Não te percas de te nunca. Beijos!

Postar um comentário