quinta-feira, 14 de abril de 2011

A culpa é da educação


"A educação vem de casa, meu filho não vai ser homossexual, ele vai ter uma criação digna", disse ao programa Conexão Repórter, do SBT, na quarta-feira, um membro de um grupo de homofóbicos neonazistas, possivelmente, skinheads.

O programa abordou a homofobia, mostrando imagens fortes de agressões contra homossexuais nas mais diversas situações. Fez ainda uma simulação, usando dois atores, da demonstração de afeto em público entre gays para testar a reação das pessoas nas ruas. O resultado? Além das ofensas verbais, uma jaca foi atirada contra os dois homens.

O universo das travestis também foi mostrado. A equipe do programa flagrou uma delas sendo arrastada por um carro quando o condutor, passando-se por cliente, tentou roubar sua bolsa, onde estava o dinheiro ganho naquela noite de trabalho.

Os skinheads falaram ainda que não são homofóbicos, pois não tem medo de gays, apenas não gostam de nós. Santa ignorância! O termo fobia refere-se a aversão e não a medo. Um homofóbico não tem medo, mas repulsa a gays. São reações completamente diferentes. Eles disseram ainda que a violência que praticam contra gays é em nome de Deus. Eu sou ateu e mesmo assim não acredito que Deus seja tão mesquinho ao ponto de apoiar esse tipo de atitude.

Você acha tudo isso um absurdo? Pois pasme, a culpa de tudo isso é da educação. Eu sou gay e como a maioria mais que absoluta dos LGBTs, sou filho de pais heterossexuais. Tive uma criação típica de menino. Meu pai tentou me ensinar futebol, a empinar pipa, brinquei de luta com meus primos, de carrinho, enfim, recebi todos os referenciais que uma criança do sexo masculino tradicionalmente recebe, sendo assim, eu deveria ser hétero.

Acontece que homossexualidade não se aprende em casa ou em qualquer outro local. Também não escolhemos em determinado momento da vida ser homossexual. Eu nasci gay e não há nada que pudesse mudar isso. Casais gays não criam filhos gays. Se você pesquisar entre os casais gays que tem filhos, biológicos ou adotivos, certamente a maioria apresenta comportamento heterossexual.

Então que culpa a educação tem nisso tudo? Simples: ela gera os homofóbicos. Nós aprendemos em casa a ser preconceituoso e potencializamos esse comportamento nas ruas. Todos nós crescemos ouvindo piadas contra gays. Ouvimos que ser gay é demérito. Nenhum pai ou mãe, quando fala com filho sobre como será a vida dele quando adulto diz “quando você tiver um namorado”. Quantas vezes minha mãe não disse que um dia eu em casaria, mas que era para eu arrumar uma nora que gostasse dela?

Somos educados para sermos heterossexuais e o pior, para sermos heterossexuais homofóbicos. Aprendemos por imitação. Crianças repetem o comportamento dos adultos. A educação que recebemos é machista e fundamentada em preceitos religiosos que ajudam a fortalecer a idéia de homossexualidade como algo negativo.

A homofobia, no Brasil, recebe um reforço cultural na desvalorização de tudo que é feminino ou tido como “coisa de mulher”. Os homens que se aproximam de um comportamento socialmente convencionado como feminino são fortemente vigiados, discriminados, sofrendo vários tipos de penalidades na vida em sociedade, que envolvem, muitas vezes, violência física. Quando se assume gay, o homem deixa de ser homem aos olhos da sociedade. Como se virilidade estivesse relacionada, obrigatoriamente, à orientação sexual.

Logo, é de se esperar que uma criança que ouve/vê a mãe ou o pai discriminar, de alguma forma algum homossexual, se torne um adulto que tenha o mesmo tipo de comportamento baseado na intolerância, desrespeito e violência.

Claro, há as exceções. Há pessoas que cresceram em um ambiente intolerante e preconceituoso e que não tem preconceitos. Assim como há aqueles que cresceram em uma família onde as diferenças são apenas isso: diferença. Apenas mais um dentre tantos outros traços da personalidade. Pessoas não nascem preconceituosas. Preconceito não é inato. Dessa forma, a homofobia também não é inata. Ela é adquirida. E pode e deve ser combatida com educação e respeito.

Não sei se o filho de algum dos caras que falou ao Conexão Repórter será gay, mas com certeza será mais um que agredirá, ao ponto de matar, um homossexual apenas por ele ser homossexual. Homofobia é culpa sim da educação, da má-educação. E não há nada de digno em educar uma pessoa para que ela discrimine outrem apenas por ela ser diferente dela ou do que ela aprendeu.

Caso você não tenha assistido o programa, ele está disponível, na íntegra, no blog Eleições HoJE. Basta clicar AQUI.


















9 comentários:

Lola disse...

Amigo, não precisa agredir de fato, na forma física. Basta ter um olhar diferente para classificarmos como preconceito. E todo e qualquer preconceito, mesmo o que nos parece ser o mais inofensivo, como uma brincadeira ou piada, continua sendo preconceito. E tenho pena de quem aprende ou ensina isso aos filhos.
Belo texto!

Bjs

tayla disse...

Gostei MUITO do texto. Não assisti ao conexão repórter de ontem pois não encontrei na net ainda,mas pelo que vejo fez muita gente repensar certos conceitos.

Parabéns.

Anônimo disse...

Conexão Repórter sobre homofobia: http://liquidificadordigital.blogspot.com/2011/04/culpa-e-da-educacao.html

Anônimo disse...

http://eleicoeshoje.wordpress.com/2011/04/14/homofobia-foi-o-tema-do-conexao-reporter-desta-quarta/

Uma Historia de Amor disse...

Muito bom texto, simplesmente concordo com tudo, a luta continua,

a PL212 aprovada aqueles babacas todos iriam presos!
o meu carinho sempre, Roberta.

Thiago_Fiago disse...

Excelente texto. Trago alguns dados científicos pra corroborar suas idéias: dentre os mamíferos superiores, o ser humano é o dentre tantos o que te mcrescimento mais lento e mais necessita de ajuda (outros com pouco tempo já podem se separar da mãe e viverem sozinhos; o ser humano, só lá pelos 08 anos e olhe lá); o processo de socialização - linguagem, por exemplo - de seres humanos começa bem cedo e um exemplo é que, entre os meninos, uma ofensa muito grande é ser chamado de "menina", revelando como a sociedade patriarcal e homofóbica inculca desde cedo esses valores nocivos. (Juan Ramón Capella, "Fruto Proibido - Uma Aproximação Histórico-teórica ao Estudo", Livraria do Advogado, 2002)

Bonter disse...

"A educação vem de casa, meu filho não vai ser homossexual, ele vai ter uma criação digna".

Acho que isso é dito apenas por crueldade, para incentivar pais que não são bem instruídos a agredir violentamente seus filhos homoafetivos, apenas para gerar ódio.

Aliás a idéia de um skinhead defendendo a "família" já é ridícula, todos sabem que eles odeiam judeus, negro, nordestinos, ciganos, etc. Estão tentando colocar suas ideologias aos poucos de forma a conquistar os fanáticos religiosos primeiro, daí essa balela de família.

Isso me revolta muito, grr...

Polly disse...

Primeira vez que visito este blog, mas já me cativou. Adoro textos bem escritos e principalmente que tratem de assuntos relevantes.

Assisti ao vídeo e estou muito triste em pensar o quanto temos que evoluir até chegar a um nível de entendimento que nos permita conviver pacificamente com as peculiaridades de cada ser humano.

Gostei muito do que o Bonter escreveu:
"Aliás a idéia de um skinhead defendendo a 'família' já é ridícula, todos sabem que eles odeiam judeus, negro, nordestinos, ciganos, etc. Estão tentando colocar suas ideologias aos poucos de forma a conquistar os fanáticos religiosos primeiro, daí essa balela de família."

Ele disse tudo o que mais me revoltou na reportagem.

No mais, estou seguindo seu blog.
Abraço.

Emerson disse...

Achei interessante que o programa entrevista skinheads, logo os extremistas mais violentos e preconcetuosos, novelando por baixo todos aqueles que respeitam mas nao compartilham da mesma opção de cvs. Porque nao entrevistam as familias brasileiras, que estão ignorantes sobre o filme que promove o bisexualismo como sendo vantajoso, e que será exibido para crianças cuja moral ainda em formação. Voces querem ser respeitados? Aprendam então a respeitar!

Postar um comentário